segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

quinta-feira, 27 de novembro de 2014


Sócrates: e se ele for inocente?

A presunção da inocência é já um cliché nos media nacionais. Mas, agora, quem a usa está destinado ao apedrejamento público
Texto de Nelson Nunes • 27/11/2014 - 12:03
Aviso: este artigo não é sobre o Sócrates. É sobre nós. É sobre nós, jornalistas, é sobre nós enquanto público ávido de mais e mais notícias e, acima de tudo, é sobre nós enquanto gente.

Não se fala noutra coisa. Sócrates para aqui, Sócrates para ali. Não deixa de ser espantosa a forma como, ao fim de três anos sem o ter num Governo, e ao cabo de quase dez anos de escrutínio, se encontrou uma maneira de o atirar para o xilindró. E não deixa de ser espantoso o impacto que o indivíduo continua a ter no panorama mediático. Goste-se ou não da pessoa, estamos perante um animal (político e não só) gigantesco, talvez o maior desde 74. Suspiramos de alívio e sentimos o doce sabor da esperança, que afinal o sistema até funciona e seremos sempre capazes de julgar os adeptos da falcatrua. Ainda assim, há comportamentos sobre os quais precisamos de reflectir.

A presunção da inocência é já um cliché nos media nacionais. Mas, agora, quem a usa está destinado ao apedrejamento público. O presente artigo não será excepção: aposto um almoço em como haverá gente a dizer que o autor deste texto é um socrático encapotado ou que é um joguete às mãos da máquina socialista. Não sou, garanto-vos. Não deixa, contudo, de ser interessante ouvir dizer que houve explosões de emoção em redacções após o anúncio da detenção do trafulha, ao mesmo tempo que as redes sociais rebentaram numa euforia incontida por um inimigo de há muito.

A crença acima de tudo
Todo este caso me faz crer que somos seres profundamente religiosos. Colocamos a crença acima de tudo, fazendo com que seja ela a conferir-nos explicações para qualquer coisa que se nos coloque defronte dos olhos. Os factos pouco importam, assim parece. Acreditamos no que nos convém, em especial se não tivermos forma de o provar. Por agora está tudo tranquilo: aparentemente, o homem andou metido em maroscas das grandes, e portanto estamos todos surpreendidos e satisfeitos com a actuação da Justiça (o que, diria eu, é quase inédito na História da democracia portuguesa).

Mas agora imagine-se este cenário: o ex-primeiro ministro, afinal, vai-se a ver, foi metido num cambalacho para prejudicar directamente o partido da oposição, que até já anda moribundo há uma carrada de tempo, e os homens do Governo arrecadam o título de campeões nacionais para mais quatro anos de bolas enfiadas nas redes do povo. Imagine-se só isto como verdade, por um instante. Que atitude seria a nossa? Não sou particular adepto das artes divinatórias, muito menos do tarot, mas creio eu depressa se levantariam as vozes populares: aquilo foi tudo um esquema dos amigos do Sócrates para o safar das tramóias que andou a fazer à gente, estes políticos safam-se sempre e, afinal de contas, a Justiça não vale nada. Esta dualidade de critérios é, no mínimo, assustadora.

Nunca tive nada contra o tipo e também nunca tive grande coisa a favor. Hoje, estou um bocadinho contente porque a Justiça mostra, pelo menos, não ter medo dos poderosos. Mas a satisfação fica por aí. As pulsões cardíacas não podem sobrepor-se aos valores morais. Prove-se a culpa e batam-se palmas. Prove-se a inocência e confie-se na Justiça. Com a mesma consciência tranquila, sem as dualidades popularuchas. No meio desta tempestade de Sócrates, Sócrates, Sócrates, sobra a pergunta: o real é o que vemos ou, afinal, o que tanto queremos ver?

BATEREM-SE PALMAS NAS REDAÇÕES!
FIZERAM-SE ENTREVISTAS A JORNALISTAS DE PASQUINS E OUTROS QUE TAIS!
ARRANJARAM-SE COMENTADORES SÓ DE UM LADO SEM CONTRADITÓRIO!
ATÉ MANUELA MOURA GUEDES QUIZ DAR CHOW MAS NÃO TEM ESTOFO NEM SABE O QUE DIZ!
VALEU TUDO.
AINDA HOJE O EXPRESSO DESTACA MAIS A NOTICIA DE UM CORRESPONDENTE EM MADRID DO LIBERATION COM PALPITES DE FERNANDO ROSAS, DO QUE AS REAÇÕES DE SÓCRATES, DO SEU ADVOGADO E DE PROENÇA DE CARVALHO.
 A DEMOCRACIA PODE ESTAR EM RISCO, E ESTÁ, PORQUE O PODER POLÍTICO SE DEIXOU CAPTURAR PELOS MERCADOS E PELO PODER ECONOMICO.
OS JORNALISTAS ANDAM AO SABOR DE QUEM LHES PAGA.
OS COMENTADORES SÃO ESCOLHIDOS CONFORME AS CONVENIÊNCIAS.
TUDO ISTO VAI TER UM FIM. ESPERO QUE SEJA BREVE.
A carta de Sócrates na íntegra
 

Ao fim de seis dias de detenção e prisão preventiva, José Sócrates fala do caso numa carta de oito parágrafos.

Em 26 de Novembro de 2014
Há cinco dias "fora do mundo", tomo agora consciência de que, como é habitual, as imputações e as "circunstâncias" devidamente selecionadas contra mim pela acusação ocupam os jornais e as televisões. Essas "fugas" de informação são crime. Contra a Justiça, é certo; mas também contra mim.
Não espero que os jornais, a quem elas aproveitam e ocupam, denunciem o crime e o quanto ele põe em causa os ditames da lealdade processual e os princípios do processo justo.
Por isso, será em legítima defesa que irei, conforme for entendendo, desmentir as falsidades lançadas sobre mim e responsabilizar os que as engendraram.
A minha detenção para interrogatório foi um abuso e o espetáculo montado em torno dela uma infâmia; as imputações que me são dirigidas são absurdas, injustas e infundamentadas; a decisão de me colocar em prisão preventiva é injustificada e constitui uma humilhação gratuita.
Aqui está toda uma lição de vida: aqui está o verdadeiro poder - de prender e de libertar. Mas, em contrapartida, não raro a prepotência atraiçoa o prepotente.
Defender-me-ei com as armas do Estado de Direito - são as únicas em que acredito. Este é um caso da Justiça e é com a Justiça Democrática que será resolvido.
Não tenho dúvidas que este caso tem também contornos políticos e sensibilizam-me as manifestações de solidariedade de tantos camaradas e amigos. Mas quero o que for político à margem deste debate. Este processo é comigo e só comigo. Qualquer envolvimento do Partido Socialista só me prejudicaria, prejudicaria o Partido e prejudicaria a Democracia.
Este processo só agora começou.
Évora, 26 de Novembro de 2014
José Sócrates

NÃO É QUALQUER JORNAL FRANCÊS DA DITA ESQUERDA QUE PODE IMPEDIR SÓCRATES DE SE DEFENDER.
O EXPRESSO DÁ ÊNFASE A UM ARTIGO DO LIBERATION DE UM CORRESPONDENTE EM ESPANHA QUE ATACA SEM PROVAS JOSÉ SÓCRATES. PARA FINALIZAR O ARTIDO PRECISARAM DA OPINIÃO DO ESQUERDINO FERNANDO ROSAS QUE TAMBÉM ESCREVE PARA COMPLETAR O ARTIGO.
TAL COMO OS CHAPÉUS, ESQUERDAS HÁ MUITAS, ASSIM COMO DIREITAS DR. RICARDO COSTA.
DEPOIS DE 5 DIAS A DIZEREM AS MAIORES BARBARIDADES E LANÇAREM PALPITES, DEIXEM O HOMEM DEFENDER-SE QUE A JUSTIÇA O JULGARÁ SE FOR CASO DISSO.

ECONOMIA/POLÍTICA

08:57

Proença de Carvalho: Carlos Alexandre é "o super juiz dos tablóides"

MARIANA ADAM E MARTA MOITINHO OLIVEIRA
Proença de Carvalho: Carlos Alexandre é
O advogado que já representou José Sócrates em processos anteriores critica os pressupostos da prisão preventiva do ex-primeiro-ministro, ontem revelados pelo Económico. Em declarações à TSF, Proença de Carvalho aponta ainda o dedo ao juiz Carlos Alexandre.
Daniel Proença de Carvalho acusou ontem Carlos Alexandre de ser o "super juiz dos tablóides" e lembrou que o magistrado, que agora em mãos o processo de Sócrates, "já podia ter sido promovido à Relação. Mas não, ele gosta é de estar naquele tribunal. E realmente compreende-se, o poder é tão grande".

No programa Pares da República, da TSF, Proença de Carvalho, criticou também a fundamentação de Carlos Alexandre, revelada segunda-feira pelo Económico, para justificar a prisão preventiva do ex-primeiro-ministro. O advogado, que já representou José Sócrates em processos anteriores, diz que no que toca ao perigo de fuga "até parece um pouco ridículo. O engenheiro José Sócrates, se não quisesse comparecer perante as autoridades, não teria feito a viagem de Paris naquele dia".

Este discurso de ataque à forma como a justiça conduziu a detenção de José Sócrates já começou ontem a ser ensaiado por Francisco Proença de Carvalho, filho de Daniel Proença de Cravalho e advogado no escritório que representa, através de outro advogado, o motorista de Sócrates, que também foi detido, encontrando-se igualmente em prisão preventiva.

Advogado de Sócrates defende que "este processo tem contornos políticos"

por LusaOntem9m
Advogado de Sócrates defende que "este processo tem contornos políticos"
Fotografia © EPA/TIAGO PETINGA
João Araújo, que na próxima semana vai recorrer da prisão preventiva, diz que ainda está a "tentar entender bem as coisas".
O advogado de José Sócrates considerou hoje que o processo-crime que envolve o ex-primeiro-ministro tem "contornos políticos" e disse não saber que crime de corrupção é imputado ao ex-líder socialista.
"Este processo tem contornos políticos. Não é uma opinião, é um facto. A prisão de um ex-primeiro-ministro tem sempre contornos políticos", disse João Araújo em declarações à agência Lusa.
O advogado adiantou que, na próxima semana, vai recorrer da prisão preventiva aplicada a José Sócrates pelo juiz de instrução Carlos Alexandre, pedindo a "libertação plena" por considerar que houve ilegalidade na prisão por questões substanciais.
João Araújo afastou, contudo, a possibilidade de apresentar um pedido de "habeas corpus" (libertação imediata), junto do Supremo Tribunal de Justiça.
Segundo o advogado, José Sócrates respondeu a todas as perguntas feitas pelo juiz Carlos Alexandre, mas disse que, no final do interrogatório, continuou sem saber os contornos do crime de corrupção que é imputado ao antigo primeiro-ministro.
"Está tudo muito fluido e estou a tentar entender bem as coisas", disse à Lusa João Araújo, referindo que "há incongruências que é preciso verificar".
João Araújo disse ainda que, quando Sócrates foi detido na sexta-feira no aeroporto de Lisboa, constava do mandado de detenção o crime de tráfico de influências, mas que este "desapareceu" e não foi abordado no interrogatório judicial.
José Sócrates está indiciado de fraude fiscal qualificada, corrupção e branqueamento de capitais e encontra-se em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Évora.
O advogado escusou-se a adiantar os montantes que estarão em causa no processo, depois de vários órgãos de comunicação social terem avançado entre 20 e 25 milhões de euros.
"Não leio jornais", justificou.
Questionado sobre os comentários do ex-presidente da República Mário Soares, de que há uma "campanha que é uma infâmia" contra Sócrates, João Araújo disse: "Não partilho de coisa nenhuma, embora Mário Soares seja uma personalidade fascinante."
"É uma opinião do dr. Mário Soares" acrescentou.
O advogado disse que, ainda esta semana, pretende fazer uma visita de trabalho a José Sócrates para "analisar a situação e o despacho do juiz" de instrução.
O motorista do ex-governante, João Perna, o advogado Gonçalo Trindade Ferreira e Carlos Santos Silva foram detidos na quinta-feira, igualmente suspeitos da prática de crimes económicos na "operação Marquês".
O Tribunal Central de Instrução Criminal decretou a prisão preventiva a José Sócrates, João Perna e Carlos Santos Silva e a obrigatoriedade de apresentação bissemanal no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), proibição de ausência para o estrangeiro e proibição de contactos com os outros arguidos ao advogado Gonçalo Ferreira.

Guardar artigo
José Sócrates reage, pela primeira vez desde que foi detido no aeroporto, ao processo em que o acusam de corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais. Pede que a política “fique à margem”, embora não tenha dúvida de que "este caso tem também contornos políticos”.

É BOM QUE FALE PARA QUE SE SAIBA PORQUE ESTÁ DETIDO.
NÃO PODE HAVER RECUO. A JUSTIÇA TEM DE FUNCIONAR E O CIDADÃO SÓCRATES TEM DE SER TRATADO COMO QUALQUER OUTRO.
FAZER UM SHOU MEDIÁTICO COMO NESTES ULTIMOS DIAS DEIXA-ME MUITAS DUVIDAS.
É LAMENTÁVEL QUE JORNALISTAS QUE TINHA COMO SÉRIOS E PONDERADOS, CANAIS DE TELEVISÃO E JORNAIS DE REFERÊNCIA TENHAM USADO NOTIICIAS SENSACIONALISTAS DE OUTROS, COMO O SOL E CORREIO DAMANHÃ (INIMIGOS FIGADAIS DE SÓCRATES) SEM SE PREOCUPAREM DE CUMPRIR AS MAIS ELEMENTARES REGRAS DO JORNALISMO E DO ESTADO DE DIREITO. FOI ESCANDALOSA A ENTREVISTA DA TVI A FELICIA CABRITA POR JUDITE DE SOUSA NO DIA EM SÓCRATES FOI DETIDO. O QUE LÁ SE DISSE DEVIA SER INVESTIGADO PELA PGR POIS AS CERTEZAS PRODUZIDAS FACILITARIA A VIDA AOS INVESTIGADORES. SEM QUALQUER AVISO A ENTREVISTA ACABOU REPENTINAMENTE NÃO SE PERCEBENDO PORQUÊ. O TEMPO IRÁ ESCLARECER?

quarta-feira, 26 de novembro de 2014


 
Operação Marquês
 

 

Magistrados consideram "lamentáveis" as declarações de Mário Soares

Publicado às 17.25

 
 
foto LUÍS PARDAL/GLOBAL IMAGENS
Magistrados consideram "lamentáveis" as declarações de  Mário Soares
Mário Soares disse esta quarta-feira, em Évora, que José Sócrates está a ser vítima de "uma campanha que é uma infâmia"
 

O presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público considerou, esta quarta-feira, "absolutamente lamentáveis" e "uma vergonha para o país" as declarações do ex-Presidente da República Mário Soares à saída da cadeia de Évora.
"As declarações do Dr. Mário Soares são absolutamente lamentáveis, são indignas de um Presidente da República, são uma vergonha para o país de que foi o mais alto magistrado", disse à Agência Lusa Rui Cardoso, presidente do SMMP, reagindo às afirmações do antigo Chefe de Estado à saída da cadeia, onde o ex-primeiro-ministro José Sócrates está em prisão preventiva por indícios de corrupção, branqueamento de capitais e fraude fiscal.
Questionado sobre se as palavras de Mário Soares podem ser entendidas no sentido de que foi montada uma cabala contra Sócrates, o presidente do SMMP escusou-se a comentar, limitando-se a dizer que ele (Mário Soares) é que "pode dizer as razões do que disse".
Contactado pela Lusa, Nuno Coelho, vice-presidente da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP), referiu que a estrutura dos juízes não vai comentar o que foi dito por Mário Soares.
Mário Soares disse esta quarta-feira, em Évora, que José Sócrates está a ser vítima de "uma campanha que é uma infâmia", argumentando tratar-se de "um caso político".
"Têm feito uma campanha contra ele que é uma infâmia. É a comunicação social que faz, mas são os tipos que estão por trás dela", acusou.
Segundo Soares, "toda a gente acredita na inocência [de José Sócrates] neste país" e que "todo o PS está contra esta bandalheira", apesar de este caso não ter "nada a ver com os socialistas".
Em sua opinião, "tem a ver com os malandros que estão a combater um homem que foi um primeiro-ministro exemplar".
Para o antigo chefe de Estado, José Sócrates foi tratado como se fosse "um malandro" e "nem sequer foi ao tribunal".
"Alguém o mandou ao tribunal, Qual tribunal", questionou, depois de os jornalistas terem dito que o ex-primeiro-ministro foi ouvido no Tribunal Central de Instrução Criminal, considerando que o caso "não é outra coisa senão um caso político".
Mário Soares considerou que José Sócrates "é um homem de dignidade e digno e nem sequer foi julgado", acrescentando que, "se for julgado, é absolvido".
Questionado sobre a prisão preventiva de Sócrates por alegado perigo de perturbação do inquérito, Soares respondeu: "Diga a esse juiz que é muito estranho, que eu também sou jurista", afirmou.
À entrada do Estabelecimento Prisional de Évora e quando questionado se acredita na inocência de José Sócrates, Mário Soares respondeu: "com certeza".
O ex-primeiro-ministro é o primeiro ex-chefe de governo da história da democracia portuguesa a ficar em prisão preventiva.
Na noite de segunda-feira, o Tribunal Central de Instrução Criminal decretou a prisão preventiva a José Sócrates, João Perna e Carlos Santos Silva e a obrigatoriedade de apresentação bissemanal no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), proibição de ausência para o estrangeiro e proibição de contactos com os outros arguidos a Gonçalo Ferreira.
ARTIGO PARCIAL

O QUE ENVERGONHA PORTUGAL SÃO AS FUGAS AO SEGREDO DE JUSTIÇA E A CAMPANHA JORNALISTICA DE DOIS PAQUINS. QUEM LHE FORNECE O MATERIAL?

ESTE FILME NÃO É NOVO.

COM A CASA PIA O POVO JÁ APREDNEU A SEPARAR AS COISAS.

O PRESIDENTE DA CORPORAÇÃO NÃO OUVIU AS DECLARAÇÕES DO DR. MÁRIO SOARES.




 
Operação Marquês
 

 

Soares ao lado de Sócrates e contra "malandros" que combatem homem exemplar

Em Atualização

Publicado às 10.47

, atualizado hoje às 11.58

JN
 

Mário Soares já abandonou o Estabelecimento Prisional de Évora, após uma visita de pouco mais de uma hora a José Sócrates. "Está muito bem, com um moral excelente, com uma grande dignidade", disse o antigo presidente da República, sobre o estado de espírito do ex-primeiro-ministro.
À saída do Estabelecimento Prisional de Évora, Mário Soares recusou a ideia de que a prisão de José Sócrates possa afetar o PS. "Isto não tem nada a ver com o Partido Socialista, tem a ver com os malandros que estão a combater um homem que foi um primeiro-ministro exemplar", disse Mário Soares.
"Todo o país sabe que é inocente. Se for julgado isso vai ser provado", disse Mário Soares, sem compreender a prisão preventiva de Sócrates.
"Diga a esse juiz que eu disse que é muito estranho", Sócrates ter ficado em preventiva, por perigo de fuga, acrecescentou.
Mário Soares entrou na prisão de Évora, para visitar José Sócrates, pouco após as 10.30 horas, apesar de quarta-feira não estar consagrado como dia de visitas.
"Agradeço ao diretor desta casa, que é uma pessoa excelente, um jurista como eu, que me permitiu esta visita excecional, visto que amanhã não podia", disse Mário Soares.
"Não preciso de o visitar mais, porque ele está numa situação ótima, mas se puder, naturalmente que o farei", disse Mário Soares.
"A simpatia e amizade de profunda que temos um pelo outro", justificou, nas palavras de Mário Soares, a visita a José Sócrates. "Ficou emocionado de me ver e eu emocionado de o ver", disse, sublinhando que lhe deu "mais do que um abraço".
O ex-presidente da República chegou esta manhã, de surpresa, ao Estabelecimento Prisional de Évora. À entrada, foi parco em palavras e irónico, quando lhe perguntaram como chegou a Évora. "De automóvel", respondeu.
Sobre o caso que está a abalar o país, e particularmente o PS, Mário Soares respondeu com um evasivo "nada difícil" quando questionado sobre se estaria o PS a viver tempos difíceis.

UM GRANDE ABRAÇO SOLIDÁRIO DR. MÁRIO SOARES.
A JUSTIÇA SERÁ FEITA.
ACTUALIZADA


Mário Soares visita Sócrates em Évora e diz acreditar na sua inocência

ECONÓMICO
Mário Soares visita Sócrates em Évora e diz acreditar na sua inocência
O ex-Chefe de Estado entrou no estabelecimento prisional de Évora por volta das 10h30 para visitar o ex-primeiro-ministro. "Com certeza", respondeu quando questionado pelos jornalistas sobre se acredita na inocência de José Sócrates.
O antigo Presidente da República e fundador do PS foi parco em palavras, mas sempre foi dizendo que o momento "não é nada difícil" para o Partido Socialista.

Ontem num artigo de opinião, Mário Soares criticou o "aparato mediático" ocorrido na sexta-feira à noite quando José Sócrates foi detido no aeroporto de Lisboa, após regressar de Paris, França.

"O que foi feito a um ex-primeiro-ministro, com um anormal aparato, fortemente lesivo do segredo de Justiça, não pode passar em vão. Independentemente do que está em causa e da separação de poderes entre a política e a justiça", escreveu.

Já ontem José Sócrates tinha sido visitado pelo antigo ministro da Agricultura, Capoulas Santos, e pela ex-mulher, Sofia Fava. Entretanto, vários ex-governantes socialistas se têm manifestado "chocados", "tristes" e "solidários" por causa da detenção do antigo chefe de Governo.

O líder do Partido Socialista, António Costa, pediu logo no sábado passado uma separação entre as manifestações de apoio a Sócrates e a acção política do PS. Uma mensagem que tem vindo a ser repetida nos últimos dias, em vésperas da reunião magna dos socialistas neste fim-de-semana.

O ex-primeiro-ministro está preso preventivamente no estabelecimento prisional de Évora desde segunda-feira à noite, indiciado pela prática de crimes de corrupção, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais.
A SEPARAÇÃO DE PODERES É FUNDAMENTAL NUM ESTADO DE DIREITO.
MAS A FALTA DE INFORMAÇÃO PERMITE TODAS AS ESPECULAÇÕES.
A JUSTIÇA TEM DE EXPLICAR BEM O QUE SE PASSA COM A FUGA DE INFORMAÇÃO E A RAZÃO DO FOLHETIM MEDIÁTICO-
MÁRIO SOARES TEM COLUNA VERTEBRAL E SABE O QUE FAZ. UM AMIGO É SEMPRE AMIGO NAS HORAS BOAS E MÁS. O PS NÃO PODE SAIR FRAGILIZADO ACONTEÇA O QUE ACONTECER.
VIMOS O QUE SE PASSOU COM A CASA PIA. SERÁ QUE PARA ABAFAR OUTROS CASOS TÃO COMPLICADOS SE PROCURA SEMPRE ATINGIR O PS? BPN, BPP, OPERAÇÃO FURACÃO, BES/GES, VISTOS GOLD, SUBMARINOS, TECNOFORMA, LICENCIATURA DE RELVAS, PARVALOREM, E TANTOS OUTROS.
NA SEMANA DE ELEIÇÕES E CONGRESSO DO PS O CIRCO MEDIÁTICO FOI BEM MONTADO. 

domingo, 23 de novembro de 2014

Octapharma disponível para colaborar com autoridades

por LusaHoje1 comentário
A farmacêutica diz que o ex-primeiro-ministro José Sócrates integra o Conselho Consultivo para a América Latina
A farmacêutica diz que o ex-primeiro-ministro José Sócrates integra o Conselho Consultivo para a América LatinaFotografia © Gustavo Bom / Global Imagens
Empresa afirma que as instalações da empresa em Portugal foram alvo de buscas na quinta-feira.
A empresa farmacêutica Octapharma garantiu hoje estar "totalmente disponível" para colaborar com as autoridades portuguesas, adiantando que tal já aconteceu durante as buscas feitas à delegação em Portugal, no passado dia 20.
Em comunicado enviado às redações, a Octapharma AG, a casa mãe, com sede na Suíça, revela que as instalações da empresa em Portugal foram alvo de diligências judiciais na quinta-feira, dia 20 de novembro.
"Destas diligências não resultou nenhum impedimento para o normal funcionamento da empresa", diz a Octapharma AG, garantindo que a Octapharma Portugal "prestou desde o primeiro momento total colaboração às entidades".
Nesse sentido, a "Octapharma AG está totalmente disponível para colaborar com as autoridades, esclarecendo toda e qualquer questão que possa surgir, por parte destas, em qualquer âmbito".
No comunicado, a empresa suíça aproveita igualmente para deixar a garantia de que "nenhum colaborador da Octapharma Portugal foi detido ou constituído arguido no âmbito das investigações em curso" e que, por isso, "as notícias do envolvimento da empresa com as alegadas irregularidades em investigação não têm qualquer fundamento".
A farmacêutica diz também que o ex-primeiro-ministro José Sócrates integra o Conselho Consultivo para a América Latina, funções que "não envolvem qualquer atividade em Portugal ou relacionamento com filial portuguesa", sublinhando que a relação profissional entre as duas partes "sempre se pautou pelo estrito cumprimento da Lei e por um vínculo contratual claro e transparente".
O comunicado da empresa farmacêutica surge na sequência da detenção do ex-primeiro-ministro José Sócrates e de outras três pessoas, a culminar diligências realizadas nos últimos dias, segundo a Procuradoria-geral da República (PGR).
Num primeiro momento, chegou a ser noticiado que entre os detidos estava Joaquim Lalanda de Castro, representante da multinacional farmacêutica Octapharma.
Numa nota divulgada no sábado, a PGR esclareceu que, afinal, os detidos eram, para além de Sócrates, o empresário Carlos Santos Silva, o advogado Gonçalo Trindade Ferreira e o motorista João Perna.
As quatro detenções foram feitas no âmbito de um inquérito, dirigido pelo Ministério Público e que corre termos no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), no qual se investigam "suspeitas dos crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção".

EMPRESAS DESMENTE NOTICIAS FABRICADAS.
LENA E OCTAPHARMA JÁ FALARAM.
PORQUE ESTARÃO DOIS JORNALECOS INTERESSADOS EM LEVANTAR POEIRA?
E NÃO LHES ACONTECE NADA?
Página Inicial   >  Opinião  >  Clara Ferreira Alves  >   A Justiça a que temos direito

A Justiça a que temos direito

 |
 
A Justiça é antes de mais um código e um processo na sua fase de aplicação. Ou seja, obediência cega, essa sim cega, a um conjunto de regras que protegem os cidadãos da arbitrariedade. Do abuso de poder. Do uso excessivo da força. Essas regras têm, no seu nó central, uma ética. Toda e qualquer violação dessa ética é uma violação da Justiça. E uma negação dos princípios do Direito e da ordem jurídica que nos defendem.   
Num caso de tanta gravidade como este, o da suspeita de crimes graves e detenção de um ex-primeiro-ministro do Partido Socialista, verifico imediatamente que o processo foi grosseiramente violado. Praticou-se, já, o linchamento público. Como?  
1) Detendo o suspeito numa operação de coboiada cinemática, parecida com as de Carlos Cruz e Duarte Lima, a uma hora noturna e tardia, num aeroporto, quando não havia suspeita de fuga, pelo contrário. O suspeito chegava a Portugal. Porque não convocá-lo durante o dia para interrogatório ou levá-lo de casa para detenção?  
2) Convidou-se uma cadeia de televisão a filmar o acontecimento. Inacreditável.       
3) Deram-se elementos que, a serem verdadeiros, deviam constar em segredo de Justiça. Deram-se a dois jornais sensacionalistas, o "Correio de Manhã" e o "Sol", que nada fizeram para apurar o que quer que seja. Nem tal trabalho judicial lhes competia. Ou seja, a Justiça cometeu o crime de violação do segredo de Justiça ou pior, de manipulação do caso, que posso legitimamente suspeitar ser manipulação política dadas as simpatias dos ditos jornais pelo regime no poder. Suspeito, apenas. Tenho esse direito. 
4) Leio, pela mão da jornalista Felícia Cabrita, no site do "Sol", pouco passava da hora da detenção, que Sócrates (entre outros crimes graves) acumulou 20 milhões de euros ilícitos enquanto era primeiro-ministro. Alta corrupção no cargo. Milhões colocados numa conta secreta na Suíça. Uma acusação brutal que é dada como certa. Descrita como transitada em julgado. Base factual? Fontes? Cuidado no balanço das fontes, argumentos e contra-argumentos? Enunciado mínimo dos cuidados deontológicos de checking e fact-checking? Nada. Apenas "o Sol apurou junto de investigadores". O "Sol" não tem editores. Tem denúncias. Violações de segredo de Justiça. Certezas. E comenta a notícia chamando "trituradora" de dinheiro aos bolsos de Sócrates. Inacreditável. 
5) Verificamos apenas, num estilo canhestro a que a biógrafa de Passos Coelho nos habituou (caso Casa Pia, entre outros) que a notícia sai como confirmada e sustentada. Se o Watergate tivesse sido assim conduzido, Nixon teria ido preso antes de se saber se era culpado ou inocente. No jornalismo, como na justiça, há um processo e uma ética. Não neste jornalismo. 
6) Neste momento, não sei nem posso saber se Sócrates é inocente ou culpado. Até prova em contrário é inocente. In dubio pro reo. A base de todo o Direito Penal. 
7) Espero pelo processo e exijo, como cidadã, que seja cumprido à risca. Não foi, até agora. Nem neste caso nem noutros. Isto assusta-me. Como me assustou no caso Casa Pia. Esta Justiça de terceiro mundo aterroriza-me. Isto não acontece num país civilizado com jornais civilizados. Isto levanta-me suspeitas legítimas sobre o processo e a Justiça, e neste caso, dada a gravidade e ataque ao regime que ele representa, a Justiça ou age perfeitamente ou não é Justiça.
8) Verifico a coincidência temporal com o Congresso do PS. Verifico apenas. Não suspeito. Aponto. E recordo que há pouco tempo um rumor semelhante, detenção no aeroporto à chegada de Paris, correu numa festa de embaixada onde eu estava presente. Uma história igual. Por alturas da suspeita de envolvimento de José Sócrates no caso Monte Branco. Aponto a coincidência. Há um comunicado da Procuradoria a negar a ligação deste caso ao caso Monte Branco. A Justiça desmente as suas violações do segredo de Justiça. Aponto. 
9) E não, repito, não gosto de José Sócrates. Nem desgosto. Sou indiferente à personagem e, penso, a personagem não tem por mim a menor simpatia depois da entrevista que lhe fiz noExpresso há um ano. Não nos cumprimentamos. Não sou amiga nem admiradora. É bizarro ter de fazer este ponto deslocado e sentimental mas sei donde e como partem as acusações de "socratismo" em Portugal. 
10) As minhas dúvidas são as de uma cidadã que leu com atenção os livros de Direito. E que, por isso mesmo, acha que a única coisa que a Justiça tem a fazer é dar uma conferência de imprensa onde todos, jornalistas, possamos estar presentes e fazer as perguntas em vez de deixar escorregar acusações não provadas para o "Correio da Manhã" e o "Sol". E quejandos. Não confio nestes tabloides para me informarem. Exijo uma conferência de imprensa. Tenho esse direito. Vivo num Estado de Direito. 
11) Há em Portugal bom jornalismo. Compete-lhe impedir que, mais uma vez, as nossas liberdades sejam atropeladas pelo mau jornalismo e a manipulação política.  
12) Vou seguir este processo com atenção. Muita. Ou ele é perfeito, repito, ou é a Justiça que se afundará definitivamente no justicialismo. Na vingança. No abuso de poder. Na proteção própria. O teste é maior para a Justiça porque é o teste do regime democrático. E este é mais importante que os crimes atribuídos a quem quer que seja. Não quero que um dia, como no poema falsamente atribuído a Brecht, venham por mim e não haja ninguém para falar por mim. A minha liberdade, a liberdade dos portugueses, é mais importante que o descrédito da Justiça. A Justiça reforma-se. A liberdade perde-se. E com ela a democracia.  


Ler mais: http://expresso.sapo.pt/a-justica-a-que-temos-direito=f899406#ixzz3JvADbptH


UMA JORNALISTA A SÉRIO E QUE SE ASSUME SEM MEDO.
TUDO O MAIS QUE SE VIU E LEU NOS ULTIMOS TRES DIAS É MAU DE MAIS PARA SE CHAMAR JORNALISMO. É OPORTUNISMO, VINGANÇA, JORNALISMO DE SARJETA.
TELEVISÕES E JORNAIS DE REFERÊNCIA QUISERAM APANHAR O COMBOIO DO SOL E DO CM E NÃO PARARAM PARA PENSAR, PARA CRUZAR, PARA INVESTIGAR. FIZERAM ENTREVISTAS, CRONICAS, ACUSAÇÕES, JULGAMENTOS, ATAQUES, REPESCARAM NOTICIAS DE FATOS NUNCA COMPROVADOS, ONDE SÓCRATES NUNCA FOI UCUSADO OU OUVIDO.
ISTO NÃO É JORNALISMO.
NA RTP A ALEGRIA ESPELHADA NOS OLHOS  DO PIVOT DE SERVIÇO CHEIRAVA A VIGANÇA PEQUENINA. JRS NÃO PERDOA E QUIZ VINGAR-SE.
AS FUGAS DE INFORMAÇÃO SÃO A DESTRUIÇÃO DE CIDADÃOS E OFENDEM A DEMOCRACIA E O ESTADO DE DIREITO.
SE SÓCRATES FOR CULPADO QUE SEJA ACUSADO E JULGADO, PORQUE NINGUÉM ESTÁ ACIMA DA LEI. 
SE FOR INOCENTE QUE OS JORNALISTAS SÉRIOS DESTE PAIS ABRAM OS TELEJORNAIS E JORNAIS PARA PEDIR DESCULPA DO QUE FIZERAM.
ESTAMOS EM TEMPOS DE MUDANÇA.
QUE CADA UM ASSUMA A SUA RESPONSABILIDADE.

A JUSTIÇA TEM DE ESCLARECER O QUE FEZ E PORQUE FEZ.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014



Couto dos Santos: Proposta nasceu de "entendimento entre muitos deputados"

MARTA MOITINHO OLIVEIRA E INÊS DAVID BASTOS


Couto dos Santos: Proposta nasceu de

Um dos autores da proposta que repunha as subvenções a ex-políticos explica ao Económico como surgiu a ideia. Couto dos Santos garante que o processo começou "há meses".
A ideia de repor as subvenções a ex-titulares de cargos políticos estava a ser preparada "há meses" e resultou de um "entendimento entre muitos deputados" que defendiam que a suspensão do pagamento das subvenções tinha problemas de inconstitucionalidade, afirma o deputado do PSD e autor da proposta, António Couto dos Santos, ao Económico.
Entre os parlamentares que se movimentaram nesse sentido estiveram os deputados do PSD Guilherme Silva, Mota Amaral, Pedro Pinto e Hugo Velosa, apurou o Económico junto de uma fonte parlamentar.
A reposição das subvenções votada ontem na comissão parlamentar de Orçamento e Finanças foi hoje a plenário, tendo sido retirada pelos dois deputados proponentes: António Couto dos Santos, do PSD, e José Lello, do PS.
Ao Económico, Couto dos Santos relata a sua versão dos factos. Revela que o grupo de deputados apoiante da proposta entendia que a questão devia ser submetida à avaliação do Tribunal Constitucional, o que exige pelo menos 23 parlamentares. Acabaram contudo por considerar que podiam mudar o regime entregando uma proposta de alteração ao Orçamento do Estado para 2015, um entendimento que "se verifica há meses", conta o deputado do PSD.
Couto dos Santos e José Lello foram escolhidos como autores da proposta por serem membros do Conselho de Administração da Assembleia da República e, por isso, terem "uma maior representatividade", justifica o deputado, acrescentando que nem acompanhou o processo.
E o que fez cair a proposta de ontem para hoje? "Ponderámos alguns elementos e, analisada a confusão geral", a opção foi a de retirar a proposta perante o descontentamento entre os deputados e a opinião pública.
ISTO PARECE UMA BRINCADEIRA DE MIUDOS MAS NÃO É. SENÃO VEJAMOS:
-Francisco Assis vem dizer publicamente a uma semana do con gresso do PS que deve haver coligação com a direita e o PSD;
-Couto dos Santos (agora presidente da FOmentiveste a substituir Angelo Correia) faz a proposta e leva José Lelo a assinar. Dois deputados e dois membros do Conselho de  Administração da  AR;
-As subvenções são pagas pela CGA; 
- em 2005 o governo extinguiu os direitos dos politicos às subvenções e subsidios de reintegração, sem efeitos retroativos;
- Passos Coelho suspendeu as subvenções que estavam a ser pagas a 3o8 deputados se não estou em erro;
- A suspensão só abrangia que recebesse mais de dois mil euros ou que provasse que não tinha outros meios de rendimento;
- A proposta nasceu no seio do PSD. Porque será que alguém do PS a subscreveu? O Grupo Parlamentar foi informado? E Antonio Costa?
- Passos e Costa deram consentimento?
- Até ao dia do Congresso vão surgir muitas notícias para encravar Costa e o PS e ontem já começou com a visita à Camara de Lisboa a um funcionário sobre os vistos GOLD. Coincidências?;
- Trichet o neoliberal do BCE, veio a Portugal e visitou Passos Coelho e Maria Luis Albuquerque tecendo rasgados elogios. Em representação da TRILATERAL não está nada mau
- Será que Balsemão vai convidar alguém daquele grupo - Clube de BILDERBERG (CONHECIDO PELO CLUBE DOS PODEROSOS)  onde foram Portas e Seguro?
- O OE está em aprovação na especialidade. Mas quase não se fala nisso;
- É preciso estar bem acordado porque isto promete.
- Miguel Macedo ocupou hoje o lugar de deputado;
- António Costa deixou ontem a Quadratura do Circulo;
- António Vitorino defende coligação à direita;
- O PSD reuniu as tropas com Marco Antonio Costa a assumir o comando dos ataques e do desgaste a António Costa e ao PS;
Que ninguém tenha ilusões: vão ser 10 meses de grande combate. Que nenhum socialista se deixe arrastar pelas canções da direita que desgraçou o Pais e da conivência do senhor Presidente da Republica que não cumpre os seus deveres constitucionais. Da extrema esquerda e dos novos partidos já se viu ao que se pode esperar: ocupação de lugares e marcar o terreno.
Ou será desta vez que o PS se assume como partido de esquerda socialista e democrática e rompe com esta política neoliberal ou teremos um caminho rumo à destruição e ao enfraquecimento da DEMOCRACIA como acontece por todo o Mundo. Basta olhar para a Europa e para a Espanha, grécia, Italia, Holanda, Chipre, e as tentações hegemónicas da Alemanha que mais uma vez parece querer mandar sózinha. 
Pelo que começo a ver e ouvir estão do dentro do PS os inimigos do Socialismo Democratico e da mudança. São poucos mas bem colocados e têm audição publica à direita. Há inimigos e adversários. É preciso conhece-los. Com arranjos e consensos não vamos lá.
PARA BOM ENTENDEDOR MEIA PALAVRA BASTA. É TEMPO DE AGIR E DE LUTAR POR UMA SOCIEDADE MAIS JUSTA E SOLIDÁRIA E POR POLITICOS COM ÉTICA E COM VERGONHA.
se assim não for Portugal e a Europa vão afundar-se e o POVO calado com medo que o desgracem ainda mais. 
NOS PRÓXIMOS ANOS NÃO HAVERÁ OUTRA OPORTUNIDADE COMO ESTA.